[ editar artigo]

Como abandonar o sedentarismo: cuidados com o coração e ao retormar a atividade física

Como abandonar o sedentarismo: cuidados com o coração e ao retormar a atividade física

Depois de dois anos pandêmicos muita gente precisa retomar as atividades físicas e sair do sedentarismo, mas, antes de começar “a se mexer” alguns cuidados devem ser tomados

Quando o assunto é a prática atividade física, boa parte das pessoas se esquiva da questão alegando que a falta de tempo é a maior responsável. Durante a pandemia a questão se agravou ainda mais. O sedentarismo é um dos principais fatores de risco de doenças coronarianas. De acordo com dados do Ministério da Saúde, cerca de 60% da população brasileira estava com sobrepeso e sedentária em 2021. Antes da pandemia, em 2019, a taxa era menor, de 55,4%.

Segundo o Guia da Atividade Física para a população brasileira, lançado ano passado pelo MS, o comportamento sedentário envolve atividades realizadas quando você está acordado sentado, reclinado ou deitado e gastando pouca energia. Por exemplo, quando você está em uma dessas posições para usar celular, computador, tablet, videogame e assistir à televisão ou à aula, realizar trabalhos manuais, jogar cartas ou jogos de mesa, dentro do carro, ônibus ou metrô, por exemplo.

É recomendável, pelo menos, 30 minutos de atividade moderada, de forma contínua ou acumulada, cinco vezes na semana. Desta forma, os riscos de infarto diminuem em 84% e os de câncer em 36%, além de reduzir os casos de problemas cardiovasculares e de hipertensão. O médico cardiologista do Pilar Hospital, José Carlos Tarastchuk, explica quais os fatores que levam à taxa tão alta de homens obesos no país.

O médico comenta que há duas causas para o problema: má alimentação e pouco gasto de energia. “Hoje tudo é feito pensando no conforto e isso engloba realizar atividades com o menor esforço possível. O resultado é o que chamamos de economia burra, pois nosso organismo não sabe deixar de estocar os excessos de energia em forma de gordura”, destaca o especialista.

Mas afinal, o que fazer para fugir do sedentarismo? A busca por atividades físicas é indispensável. Mesmo quem não dispõe de muito tempo, precisa encontrar meios para realizar um exercício que, além de tudo, traga algum prazer na sua prática. É possível iniciar e manter a prática de exercícios. Segundo o cardiologista, o ideal é alterar os meios de transporte. Utilizar bicicleta ou até mesmo ir a pé ao trabalho, por exemplo, já é um início. “Outra sugestão é levar roupas adequadas para correr ou caminhar, antes de ir para casa. Essa ideia é muito útil para quem não quer e não pode perder tempo. Também é possível acordar mais cedo, ir para academia, correr ou caminhar”, sugere o especialista.

É muito comum as pessoas iniciarem uma prática esportiva, porém, manter é mais complicado. Para isso, a melhor sugestão é procurar uma atividade que se encaixe ao estilo de vida de cada um. “É possível também procurar um personal na academia que ajude a simular as atividades que gosta nos aparelhos. Ou ainda, realizar atividades funcionais, que sejam semelhantes às do dia a dia. Quem gosta de determinado esporte e não pode praticá-lo, existe a possibilidade de montar uma grade de exercícios simulando-o. Porém, o mais comum, para quem quer iniciar uma atividade e não sabe qual a mais adequada, o ideal é fazer corridas ou caminhadas, de acordo com o que for melhor para cada caso, ao ar livre”, completa o cardiologista.

Dores nas costas, joelhos e ombros

Um dos principais argumentos para a inatividade física são as dores nas costas, joelhos e ombros, mas elas podem ser agravadas com o sedentarismo. O ortopedista Luiz Antônio Bauer, um dos coordenadores do Pronto Atendimento Ortopédico do Pilar Hospital, explica que o primeiro passo antes de se aventurar em atividades que não está acostumado é buscar ajuda e orientação profissional. “Uma avaliação prévia poderá auxiliar a pessoa a iniciar ou retomar a prática da atividade física evitando lesões e com parcimônia, respeitando os limites individuais, os de carga, reduzindo, assim, a probabilidade de lesões”, explica. “Cada pessoa tem uma condição e um estilo de vida que precisa ser avaliado para uma orientação correta. Para quem deseja reiniciar os exercícios, o retorno é muito mais fácil em relação a quem está começando. Para os que sofrem de dores, uma consulta médica vai identificar o porquê da dor e como reverter essa situação. Importante saber que 83% dos pacientes que têm dores musculares e tendinosas têm uma chance enorme de terem benefícios com os exercícios corretos. Numa conversa podemos ajudar na escolha da melhor modalidade, ajudar a respeitar a base do treinamento e o momento de mudar para o esporte alvo ou intensificar os treinos, sempre com um diálogo com o treinador”, completa.

Quem se aventurou sozinho e se lesionou, agora pode contar com um grupo de especialistas no Pronto Atendimento de Ortopedia do Pilar Hospital, titulados com RQE (registro no CRM), em sistema de plantão, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Nos demais horários em regime de atendimento por emergencistas com supervisão de especialista orto.

Amo Curitiba
Paula Batista
Paula Batista Seguir

Jornalista, Cientista Política e Advogada. Trabalha na Agência de Notícias Lide Multimídia e atua comunicação há mais de 20 anos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você